Camisas do Grêmio » Coluna do Will
Coluna do Will

Complicado tecer palavras depois do que foi apresentado na madrugada de ontem em Santa Cruz de la Sierra. Confesso que desde 2005 não via partida tão deplorável e “medonha” realizada pelo Grêmio. Uma típica apresentação de série B. O que se viu ontem na Bolívia acredito não se ver nem nos gramados de várzea da 2ª divisão gaúcha. Um time errando passes de 2 metros, não se impondo, mal posicionado em campo e deixando o adversário com 5 reservas e eliminado da competição mandar no jogo, e mais, golear. É este o Grêmio que almeja ser tri campeão do continente? É esta a equipe que o Sr Renato Portaluppi pretende mostrar ao mundo no fim do ano? Sinceramente, triste, pra não dizer deplorável.

CONFORMISMO: Confesso que após o fiasco de ontem eu me imaginei quebrando o radinho a pilha na parede do quarto caso ouvisse o ilustríssimo presidente Paulo Odone afirmar aos 4 ventos que “o que se viu foi uma prova viva de que com o Grêmio Porto Alegrense tudo tem que ser mais difícil, teríamos que nos classificar em 2º mesmo, pra enfrentar adversários mais difíceis, na raça, na superação, na camisa e bla e bla”. Pois pior que isso foi ouvir o treinador da equipe dizer que “os jogadores não estavam motivados, pois a partida não valia nada, o adversário já estava eliminado, o Grêmio classificado e pode ter ocrrido inclusive menosprezo”. Por Deus. Que equipe joga uma partida de Libertadores com sangue doce? Que equipe vai pra campo menosprezando o adversário, quando necessita do resultado para obter uma pontuação que garantisse jogos decisivos em casa? Que equipe Senhores? Vos digo: O Grêmio, dito “Copero y Peleador”, óbvio! Ainda procuro as duas pilhas pelo quarto, mas enfim né, o radinho já era velho mesmo.

ACREDITAR? Sim, acreditar. Ponto. Não sou do grupo “terra arrasada” e não será hoje que adentrarei neste nem um pouco seleto grupo. O Grêmio de ontem estava mal escalado, mal posicionado e somamos a isso uma noite muito infeliz dos principais jogadores, as ditas hastes do time. O Grêmio “não é nenhuma Brastemp” (e creio ser isso de conhecimento de qualquer gremista lúcido), mas Rodolfo, Gabriel, Rochemback, Lúcio e Borges jogam mais do que mostraram ontem. Muito mais. Entretanto, no futebol nem sempre se pode estar “abençoado” pelos céus, realizando mágicas em campo e partidas memoráveis. Ontem o grêmio foi mal. Precisa rever conceitos, entender situações e sacudir o vestiário. A mudança precisa começar já no Domingo, contra o Ypiranga e uma vitória não basta. Ou o Grêmio apresenta um bom futebol ou a crença e a fé dos torcedores estará seriamente abalada para os próximos confrontos que virão.

NÚMEROS: Fim de 1ª fase para o Grêmio. Restando apenas alguns poucos jogos para que os confrontos das 8ªs sejam definidos, já tem gente na Azenha calculando afim de projetar um possível adversário. E comigo não é diferente. Hoje pela amanhã acordei mais cedo, tomei sozinho um chimarrão [/engenheirosdohawaii], acessei o site da Globo e resolvi projetar. Após bom tempo em frente ao pc, pensando, levantando hipóteses e levando em consideração resultados prováveis, improváveis e impossíveis, o nosso adversário dificilmente não sairá da trinca Colo-Colo/ LDU/ Universid Catolica. “Teoricamente” é uma trinca mais fácil daquela que se desenhou quando havia a hipótese de sermos um dos melhores 2ºs colocados (LDU/ Nacional/ América). Deus pode estar escrevendo certo por linhas tortas. Nos resta aguardar . E acreditar.

Coluna do Will

19:15hs é a hora dos gremistas estarem em sintonia com Porto Alegre. É hora de qualquer azul espalhado por este Rio Grande lindo véio estar sintonizado no radinho, de olho na TV ou sentado (força de expressão, por óbvio) no concreto frio do Olímpico Monumental. É o momento de jogar pra longe e incendiar qualquer negatividade e falsos boatos que se tenham tentado colocar “guela abaixo” no time nesta semana por uma imprensa que as vezes parece jogar mais contra do que a favor. É a hora mais do que nunca de ser Imortal. E ser imortal não é simplesmente ser aquele que não morre, que não cai ou nunca sai derrotado. Imortal é aquele que mantém acesa a chama da esperança, pulsando num coração que bate na quina da boca durante mais de 90 minutos. Imortal é aquele que ama acima de qualquer outra coisa um clube de futebol que por muitas vezes tornou real aquilo que ninguém acreditou um dia poder ser. O Gremismo que faz milagres e sua Imortalidade serão postos a prova hoje a noite. E não porque vencer o Junior em casa será enquadrado dessa forma, mas sim por que mostraremos para todos aqueles que se disponham a ver, que o entusiasmo de cada alma gaúcha e gremista pode e vai contagiar aqueles que por nós lutam. Esse é o nosso gremismo. Essa é a nossa sina. Hoje 30 mil representarão 6 milhões. O Grêmio estará no coração de cada gremista espalhado pelo Rio Grande a partir das 19:15hs e a chama da esperança que nos acalentará durante estes 90 minutos nos tornará tão Imortal quanto aquele que peleará diante de seus fiés escudeiros. Hoje de fato, começará a Libertadores da América 2011. Hoje é a hora da Imortalidade aprontar das suas.

Coluna do Will

VALERAM PELOS TRÊS PONTOS: Fim de jogo. Vitória e liderança geral. Uma pena não poder acrescentar nesta frase o termo “bom futebol”, pois o Grêmio de ontem, titularíssimo mais uma vez, sofreu com uma equipe retrancada e que abdicou de jogar, não encontrando espaços para desenrolar seu futebol durante grande parcela do jogo. Concordo com Renato quando este diz que a partida de ontem foi um “bom laboratório” para a Libertadores e que é muito mais fácil “destruir do que construir” (profundo isso, não?), mas precisamos atentar para o fato de que “faltou cimento” na obra do “construtor” Grêmio ontem a tarde. Apesar da retranca e das dificuldades impostas pelo adversário, uma equipe postulante ao maior título das Américas, jogando em casa e contra um time de menor porte deve apresentar mais do que apresentou. Três pontos, pt saudações e só. Ainda é pouco.

ADILSON x WILLIAM MAGRÃO: Começa a se acirrar uma bela disputa dentro do time, mais precisamente na 2ª função do meio campo tricolor. O até então titular Adilson vem perdendo espaço para o sempre prestativo William Magrão (pelo menos no gauchão, visto que na Libertadores este está impossibilitado de atuar). Adilson possui muito vigor na marcação e no combate pessoal. Já William Magrão é muito perigoso ofensivamente, agindo por vezes como um “Lúcio” no lado direito e fazendo gols. É uma briga sadia que se desenrola entre ambos. Quem será o titular? O volante tradicional ou o volante moderno? Quem ganha é o Grêmio.

VONTADE: 15 minutos em campo. Uma cabeçada salva milagrosamente pelo goleiro, um chute perigoso após boa jogada individual e movimentação com bons passes. Este foi Carlos Alberto na partida de ontem. O “pseudo-conflito” entre ele e Borges pela cobrança do pênalti está rigorosamente enquadrado nesta determinação e vontade explícita que o camisa 19 tricolor tem de estar bem com a torcida. Ele procura a paz que os gols podem lhe causar, ele quer ser reconhecido junto ao seu torcedor, e isso senhores, isso é louvável. Sou adepto da corrente que defende o meia como jogador a ser constantemente utilizado, pois é um atleta que seguidamente, tanto em jogos como nos treinos, demonstra muita vontade e raça. A titularidade está praticamente descartada, mas com certeza é “um dos” 12ºs jogadores” de Renato. Ah, e só pra constar: Se “hablasse” seria Deus na Azenha.

BRILHA UMA NOVA ESTRELA: Joga fácil este tal Leandro. 5 jogos e 5 gols. Que atacante, Senhores. Rápido e abusado. Parte pra cima dos defensores como se fosse um predador vociferante que busca sua alimentação em presas fáceis. Que atacante, Senhores. Que atacante!!! Do olímpico finalmente emerge um tesouro a ser lapidado. Todos os méritos a Renato que descobriu o atleta, um garoto de ouro que pode ser o pilar de uma grande conquista que está logo ali. Não me canso de dizer: Que atacante, Senhores, Que atacante!

Coluna do Will

675MÉRITO OU DEMÉRITO? Sou de Santa Maria, e se me permitem, tal crônica será iniciada avaliando não o Grêmio, mas sim o adversário de ontem, que caminha a passos largos rumo a fatídica 2ª divisão do futebol Gaúcho. Sim, a 2ª divisão. Este é o nível da equipe que enfrentou o Grêmio na noite passada. O pobre Inter de Santa Maria é um mar de desorganização. Jogadores dispensados por treinarem embriagados e diretor ridicularizando o elenco ao vivo após as derrotas é apenas “a cereja do bolo abatumado” que se tornou a equipe neste certame. Muitos dirão que a vitória tricolor se deu pelo que jogou (ou não jogou) o adversário e não pelo que mostrou o Grêmio. No entento a goleada se concretizou muito mais pela qualidade que o time de Porto Alegre mostrou ter do que por um demérito Santamariense. Um time só demonstra qualidade quando realmente a tem. Se não tiver, pode enfrentar qualquer equipe varzeana que não se sobressairá. O futebol que transformou o Grêmio numa das melhores equipes do país no final de 2010 parece aos poucos estar reaparecendo pela Azenha. E numa hora muito boa. Resta saber se será fogo de palha ou o início de um incêndio de proporções Internacionais.

REVELAÇÃO: Aos poucos o Grêmio vai novamente lapidando mais uma promessa de craque. Leandro, 17 anos, liso, oportunista e habilidoso. É o “Neymar” do Olímpico (segundo os próprios colegas). Sabe-se que o apelido veio mais pelo cabelo do que pelo futebol, mas não custa sonhar naquilo que o garoto pode realizar. Quem sabe não esteja surgindo aí um grande jogador para o futebol brasileiro? Os três gols nas três partidas que disputou mostram que o jovem Leandro não é bobo. Merece olhos atentos sobre seus pés. Que as últimas negociações sirvam de exemplo para a direção do Grêmio. Leandro pode render muito, tanto atuando e ajudando a equipe, como fruto de rentabilidade por transações futuras. Olho nele!

FUTVOLÊI: O assunto que mais se falou no Olímpico durante esta semana e após a partida de ontem não foi o confronto contra o inter-SM ou mesmo a possibilidade de encaminhamento de vaga na Libertadores com uma vitória do Oriente Petroleiro sobre o Léon (fato este que se concretizou na noite de ontem, #GLÓRIA). O convite que Renato Portaluppi recebeu para representar o Brasil no mundial de futvolêi que será realizado no Rio de Janeiro tomou conta dos corredores do Olímpico. Há algum tempo atrás, Renato nitidamente demonstrava aversão a viajar com a equipe ao interior do estado para não se “desgastar”. Agora, numa mudança repentina, ele deseja abandonar o time em meio a temporada pra disputar dois dias intensos de futvolêi ao lado do baixinho Romário. Onde está a coerência? Não veria problema algum de Renato participar de tal evento, desde que tivesse o mesmo ímpeto para assuntos que relacionassem o Grêmio (seja onde e quando for). Tem bons atletas a disposição, um grupo unido e uma torcida apaixonada por ele e pelo clube. Tem a faca e o queijo na mão. Tem tudo para se consagrar como técnico do Grêmio. Resta saber se ele seguirá o caminho dos vencedores ou se continuará agindo como se quisesse auto-sabotar seu próprio emprego.

Coluna do Will

674UMA TARDE INSPIRADA: O time reserva que enfrentou o Porto Alegre na tarde de ontem nem de longe lembrou o mesmo time reserva que perdeu para o Cruzeiro-RS (tanto na escalação como na disciplina tática dos jogadores). É difícil afirmar se o êxito tricolor se deve mais ao fato do adversário ser uma das piores equipes do certame ou se o inconstante elenco tricolor teve novamente uma tarde inspirada. A equipe que venceu o Porto Alegre de Assis mostrou ter boas opções para o decorrer do ano e da Libertadores.

AUMENTA A CONCORRÊNCIA: Escudero estreou de fato. Fez uma belíssima partida, movimentando-se, aparecendo para tabelamentos e marcando gol(aço). Mostrou seu cartão de visitas para a torcida e para o técnico. Assim como Junior Viçosa (seu companheiro de ontem com também boa apresentação) e Carlos Alberto (que parece ter rendido mais quando teve oportunidade no ataque), Escudero entra na briga para uma das vagas do ataque. O tímido Argentino, de fala mansa e futebol agressivo finalmente mostrou as garras. Que seja assim na maioria dos dias que aqui estiver.

A CULPA É DE QUEM? Renato Portaluppi joga palavras ao vento, afirmando que “querem tumultuar o vestiário do Grêmio”. Caríssimo treinador, ÍDOLO: A única pessoa que tumultuou o vestiário foi o Senhor após ser inconsequente e leviano,informando a um jornalista que poderia assumir o Fluminense. Admitiu que errou, mas insiste em achar pêlo em ovo. A poeira parece ter baixado, mas a crista não. Quanto mais($$) para Renato balançar de novo e esquecer deste “amor” pelo Grêmio?

PULSO FIRME: Finalmente, Sr. Paulo Odone. Perdeu a novela Ronaldinho, viu seu melhor atleta voar para a Europa por que não se dedicou na negociação e não demonstrava ação ao ver o time apresentar um futebol medíocre, jogo após jogo. Resolveu agir: Colocou Renato na parede após o tumulto, desceu ao vestiário e nitidamente exigiu que garotos da base tivessem mais oportunidades (o que ficou nítido nos ingressos de Fernando, Mithyuê e Pessali na partida de ontem). Sem falar no bastidor, colcoando o Grêmio com força na briga pelo estádio da Copa, A era da “bundamolice” (termologia usada pelos “Odonistas” na gestão de Kroeff) parece estar com os dias contados (ironia do destino, não?). Paulo Odone mostrou pulso. Resta saber se é apenas faxada ou não.