Jogos Inesquecíveis

Renato comanda a goleada Tricolor. FOTO: Gazeta Press

Grêmio e Flamengo já se enfrentaram na Libertadores? Sim, algumas vezes. E hoje vamos falar do confronto mais marcante de todos. 26 de junho de 1984. Inverno rigoroso em Porto Alegre. Estádio olímpico lotado para ver a estreia do Grêmio na Libertadores da América contra o Flamengo bicampeão brasileiro em 82/83, o time da massa, rico, “queridinho da mídia”. Naquela época o campeão do ano anterior só estreava nas semifinais do ano seguinte, sendo essa fase disputada no formato de triangular, com jogos de ida e volta, classificando o melhor do grupo para a final. Além dos cariocas, o Universidad Los Andes da Venezuela era o outro adversário do grupo. O Imortal começou o jogo empurrado pela torcida e abriu o placar com Osvaldo logo aos 5 minutos. Depois da rebatida na área, o camisa 8 soltou um canhotaço pra vencer o goleiro argentino Fillol. Logo os cariocas reagiram, e após bola alçada na área e falha de posicionamento de De León, empataram o jogo com Tita (que um ano antes havia atuado pelo Tricolor). Daí o Portaluppi entrou em cena. Partiu em direção à área e com um belo passe lançou Tarciso na esquerda, que cruzou para Caio cabecear para as redes. Jogo aberto, os cariocas tentando reagir. Renato retoma uma bola pela esquerda e dá outro passe em direção à linha de fundo. Paulo Cesar entra como uma flecha e cruza. Osvaldo cabeceia forte e encobre o arqueiro rubro negro anotando o terceiro gol Tricolor (seu segundo na partida). No intervalo, Zagallo sai aos berros com seus jogadores, tentando injetar um ânimo. Começa o segundo tempo. Faltava o gol do Renato. E ele veio. Mais um belo cruzamento do Paulo Cesar pela esquerda e o Portaluppi mergulhou pra colocar a bola na rede! A essa altura a torcida já gritava olé, e ainda eram 10 minutos do segundo tempo! Mas ainda tinha mais. A cereja do bolo veio com Tarciso. O craque. o artilheiro. A zaga do Flamengo saiu tocando errado e o camisa 9 recebeu sozinho na cara do gol. Ele olhou e tocou por cima, encobrindo Fillol e dando números finais à partida. GOLAÇO!!! Mais uma vitória Tricolor contra um time da massa, dando uma aula de futebol. O time entrou em campo naquela noite com João Marcos; Raul, Baidek, De León e Paulo Cesar; China, Osvaldo e Luis Carlos; Renato, Caio e Tarciso. Calos Froner era o comandante. Após 35 anos, o confronto irá se repetir. Pra vencer, o Grêmio terá que jogar muita bola, como naquela noite gelada de 1984. É possível sim, contra tudo e contra todos. Temos grandes jogadores e o mesmo Renato comandando o time. Avante Tricolor! Rumo à final!

Jogos Inesquecíveis

Tcheco marcou o gol da vitória em 2008

É, vai ser difícil. Há 11 anos o Imortal tricolor não vence uma partida contra o Palmeiras em São Paulo. Corria o dramático ano de 2008. Após abrir 11 pontos de distância frente ao São Paulo, o Grêmio chegava à 34º rodada do campeonato brasileiro inacreditavelmente 2 pontos atrás. Os paulistas do Morumbi lideravam a competição e enfrentariam a Portuguesa nessa rodada. Nesse cenário, se quisesse se manter vivo na competição, o Tricolor precisaria necessariamente vencer o Palmeiras fora de casa. Pra complicar, entre lesões e suspensões, aquele time que jogava no 3-5-2 estava completamente descaracterizado. Sem os 3 zagueiros, os 2 laterais titulares, sem o atacante Perea (grande destaque naquele ano) e com o volante Amaral improvisado na zaga. Esses eram os desafio do Imortal, que teria pela frente o poderoso (e rico) Palmeiras de Diego Souza, Denílson e Alex Mineiro (o artilheiro do Brasil em 2008). Parque Antártica lotado, pressão desde o início, Palmeiras começa pressionando, e o jogo se equilibra do meio para o final do primeiro tempo. Goleiros Victor e Marcos se destacando com boas defesas. Segundo tempo começa morno, truncado como todo o jogo entre as duas equipes. 27 minutos, falta para o Grêmio na ponta esquerda da intermediária. Helder escora curto, Tcheco dá 3 passo em diagonal e cruza a bola com efeito. Todo mundo sobe, Marcel tenta em vão a cabeçada, e a bola morre na rede, no canto esquerdo de Marcos, que só tenta o golpe de vista. GOL DO GRÊMIO!!! Muita comemoração, os jogadores se abraçam quase sem acreditar. Depois disso o Palmeiras se atira com tudo para o ataque. Inclusive o goleiro Marcos, que havia perdido seu pai há poucas horas, abandona a meta e vai para o ataque como um louco no meio do jogo, deixando a defesa desguarnecida. Tentativas de todas as formas, mas afoitas e sem resultado. Final de jogo. Vitória heroica do Imortal Tricolor, que naquele momento, retornava para a briga pelo título, quando ninguém mais acreditava. Esse é o Grêmio. Contra tudo e contra todos. Que sirva de inspiração para o jogo de amanhã. É quase impossível, eu sei. O Palmeiras não toma gol, tem um elenco muito mais completo e a vantagem do jogo de ida. O Grêmio vai ter que jogar muita bola (principalmente o Maicon, que está devendo faz tempo), mas quem sabe uma bola despretensiosa como esse gol do Tcheco não recoloca o Grêmio de volta na briga? A alma copeira (como diz um certo narrador) é o único fator que nos faz acreditar. Avante Tricolor! O time que entrou em campo em 2008, no 3-5-2 tinha: Victor; Amaral, Jean e Heverton: Souza, Rafael Carioca, William Magrão, Tcheco e Helder (Adilson); Reinaldo (André Luis) e Marcel (Ortemann). Téc. Celso Roth.

Jogos Inesquecíveis

Grohe defende o pênalti e o Tricolor despacha os equatorianos da LDU

Não sei vocês, mas eu já estou com saudade da Libertadores. Enquanto a competição não começa para o Tricolor, vamos relembrar mais uma grande vitória do passado retornando com a sessão “JOGOS INESQUECÍVEIS”. O ano era 2013, o primeiro ano da Arena Tricolor. Após uma boa campanha no Campeonato Brasileiro do ano anterior, o Imortal retornava à Libertadores da América. Com Luxemburgo no comando, a direção tratou de investir pesado para montar um time de estrelas com o objetivo de levantar a taça. Como nada é fácil na vida do Grêmio, já de cara surge um grande adversário na pré Libertadores. A temida LDU campeã 5 anos antes calando o Maracanã contra o Fluminense de Renato. A fase pré Libertadores era disputada logo em janeiro, adiantando assim a pré temporada e preparação, já que um jogo tão importante assim definiria o futuro do time no restante do semestre. Uma possível eliminação seria um desastre total comparando ao grande investimento realizado pela direção. No jogo de ida no Equador (23/1), vimos um Grêmio ainda fora de forma segurar o empate até os 30 do segundo tempo, quando num lance de bate-rebate, após uma milagrosa defesa do Grohe, Garcez completou pra rede. Apesar da derrota, voltamos vivos. Com apenas 30 dias de uso, a nova Arena já enfrentaria sua primeira grande decisão. Em 30 de janeiro, 42 mil torcedores lotaram o estádio para apoiar o Tricolor rumo á vitória. Os equatorianos vieram fechados. trancando o jogo, fazendo faltas e atrasando a reposição da bola, métodos bem conhecidos na tradicional competição da América. Um primeiro tempo tenso e com poucas chances de gol logo chegou ao fim. Se via esperança nas entrevistas dos jogadores na saída de campo. “Temos que trabalhar a bola” dizia Zé Roberto. Vem a segunda etapa e um Grêmio ainda mais impetuoso encurralava a LDU que recuava e buscava matar o jogo nos contra-ataques. Aos 16 minutos, após receber um passe de William José, Elano soltou uma bomba de fora da área acertando o ângulo direito do goleiro equatoriano Dominguez. GOLAÇO!!! Mas ao mesmo tempo um momento de tensão tomou conta da Arena. Durante a comemoração do gol, na tradicional avalanche, o alambrado cedeu e derrubou alguns torcedores dentro do fosso, sofrendo uma queda de mais de 2 metros. Apesar de todas as preocupações, a equipe de emergência agiu rápido e tratando torcedores feridos e encaminhando para atendimento. Esse fato fez com que fossem posteriormente instaladas barras no setor da Geral e determinasse de uma vez por todas o fim da avalanche. Após a reinicialização do jogo, o Grêmio lutou até o fim para fazer o segundo gol, mas terminou assim. Esse 1×0 levou a decisão para os pênaltis. André Lima bateu primeiro. Gol! Saritama converteu para a LDU. Saimon foi pra segunda cobrança Tricolor. Bateu muito mal. O goleiro pulou no canto direito e defendeu. Vitti converteu para a LDU. 2×1. Tensão total nas arquibancadas da Arena. William José bateu firme e igualou. Reasco vai pra bola e… Na trave! Tudo igual 2×2. Pará e Vargas marcaram para o Grêmio, Vélez e Canuto para a LDU. 4×4 e vamos para as cobranças alternadas. Alex Telles vai pra bola e… Gol! Morante é o próximo a bater pela LDU… GROHE! Defendeu com os pés! Herói! Definida assim a vitória tricolor por 5×4 nos pênaltis e a classificação para a fase de grupos da Libertadores 2013! Grande jogo. Tenso, suado, nervoso. Mas no final, superação Tricolor. Na raça despachamos os equatorianos. O time que entrou em campo naquela noite: Grohe; Pará, Saimon, Bressan e Alex Telles; Fernando (Wiliam José), Souza, Elano (Jean Deretti) e Zé Roberto; Vargas e Moreno (André Lima). Téc. Vanderlei Luxemburgo.

Jogos Completos, Jogos Inesquecíveis

Aí está um jogo digno de inauguração de estádio. Dá-lhe Grêmio! Sempre pioneiro, sempre maior!

FICHA TÉCNICA
GRÊMIO 2X1 HAMBURGO

Competição: Amistoso
Local: Arena do Grêmio, Porto Alegre (RS)
Data: 08/12/2012
Público: 60.540 pessoas
Renda: Não divulgada
Horário: 22 horas (de Brasília)
Árbitro: Carlos Amarilla (FIFA-PAR).
Assistentes: Milsíades Saldivar e César Franco (FIFA-PAR).
Cartões amarelos: Leandro e Saimon (GRE); Tesche (HAM)
Cartões vermelhos: nenhum
Gols: André Lima, 9’/1ºT(1-0), Westermann, 25’/2ºT(1-1) e Marcelo Moreno, 42’/2ºT (2-1).
GRÊMIO: Marcelo Grohe, Pará, Werley (Saimon, 18’/2ºT), Naldo e Anderson Pico (Tony, Intervalo); Fernando (Marco Antonio, Intervalo), Souza, Elano (Marquinhos, Intervalo) e Zé Roberto (Léo Gago, Intervalo); Leandro (Rondinelly, 18’/2ºT) e André Lima (Marcelo Moreno, Intervalo) – Técnico: Vanderlei Luxemburgo.
HAMBURGO: Drobny, Bruma, Paul Scharner, Rajkovic (Diekmeier, 19’/2ºT), Aogo (Westermann, Intervalo), Sala, Rincon, Tesche (Arslan, 19’/2ºT) Ilicevic (Skjelbred, 36’/2ºT), Marcus Berg, Rudnevs (Son, Intervalo) – Técnico: Thorsten Fink.
Jogos Inesquecíveis

0jogos

581Setembro de 1998. Um Grêmio que iniciava reação depois de um mau começo no campeonato brasileiro enfrentava os chilenos da Universidad Católica no Olímpico Monumental. Era a primeira edição da Copa Mercosul, um torneio criado para substituir a Supercopa. Como não lembrar da transmissão do SBT, com o Sílvio Luiz narrando o jogo do Grêmio com transmissão para todo o Brasil? Saudades… Hoje em dia a TV monopólio não admite um jogo do Imortal Tricolor em rede nacional se não for contra um paulista ou carioca… Mas isso é assunto para outro post. Voltando ao jogo, o Imortal não tomou conhecimento da equipe chilena, que contava com alguns jogadores que defenderam sua seleção na Copa do Mundo de 1998 (entre eles o goleiro Tapia). Itaqui, que jogava improvisado no meio campo fez 1×0 de cabeça aos 21 do primeiro. E dá-lhe Sílvio Luiz: “Éééééééééé doooooooo Grêêêêmiooooo!” Zé Alcino fez o segundo, cinco minutos depois. Aos 29 o zagueiro Scheidt (que já defendeu a seleção brasileira) marcou o terceiro, também de cabeça. Ronaldo A$$is marcou o quarto de pênalti. Começa o segundo tempo e o Zé afonso perde um gol incrível. E o Sílvio Luiz: “Pelas barbas do profeta!”. Cornejo descontou para os chilenos aos 18 numa falha de marcação da zaga. E o velho Itaqui fechou o placar dois minutos depois. 5×1. Grande vitória! É o que esperamos amanhã no Monumental. Com certeza a torcida estará presnte em grande número, e empurrará o time para cima da qualificada equipe chilena que vem a Porto Alegre. Na pressão de um Olímpico que viu apenas 4 derrotas em toda a história Tricolor na Libertadores, vamos em busca do grande objetivo, que é a classificação. Vamo Tricolor! Queremos a Copa! Ah, o time que venceu em 1998: Danrlei, Walmir, Rodrigo Costa, Scheidt (Éder) e Roger; Djair, Goiano, Itaqui e Ronaldo A$$is; Zé Alcino (Rodrigo Mendes) e Zé Afonso. Téc. Celso Roth.