Jogos Inesquecíveis

0jogos

589Depois de uma primeira fase tranqüila, em que trucidamos os bolivianos Blooming e Bolívar, e nos vingamos da derrota de 82 para o Flamengo, o Imortal entrou no triangular contra os perigosos América de Cali e Estudiantes. Após vencer os dois no Olímpico, e perder para o América na Colômbia, dependíamos de uma vitória contra o Estudiantes para avançarmos à final da Libertadores. O clima era literalmente de guerra, pois os argentinos lutavam contra a Inglaterra pela posse das Ilhas Malvinas, e um avião inglês, um dia antes do jogo, pousou na Base Aérea de Canoas para abastecer. Era o que faltava para que o ódio aflorasse por todos os poros dos argentinos contra os brasileiros. No dia do jogo, fazia um frio de rachar e a sensação térmica era de 2 graus negativos. Nas arquibancadas de madeira do estádio, os torcedores xingavam os jogadores Gremistas, além de jogar objetos, como pilhas, vidros e pedras. Atrás de uma das goleiras, um engolidor de fogo, desses de circo, impressionava com suas chamas de 3 metros de comprimento. Em campo, os atletas do Estudiantes apelavam pra violência, apoiados pelos ensandecidos torcedores. Antes mesmo de a bola rolar, o atacante argentino Trobbiani, levou cartão amarelo. Com dois a menos, o Estudiantes abriu o placar, mas o Tricolor não se abateu e empatou com Osvaldo aos 44. No intervalo, Caio foi agredido no túnel que levava ao vestiário, e teve que ser substituído por César. Aos 8 minutos do segundo tempo, o Imortal virou a partida com gol do próprio César. Já com quatro a menos, e batendo até na sombra, os argentinos assistiram a um golaço de Renato, aos 18 minutos. Numa luta incrível, os argentinos partiram pra cima do Grêmio, mesmo em desvantagem numérica. Após Gurrieri descontar, o juiz anulou um gol legal de Osvaldo. Aos 41, ocorreu o gol de empate dos Estudiantes. Um resultado ruim? Não, uma heróica jornada de atletas que eram, antes de mais nada, homens, bravos profissionais que, na medida do possível, tentavam jogar futebol. Depois do jogo, o próprio Valdir Espinosa admitiu: “era empatar ou morrer”. Para chegar à final, torcíamos para que o eliminado América de Cali ao menos empatasse contra o Estudiantes na Colômbia. Os colombianos honraram a camisa e seguraram o empate, que colocava o Tricolor na final da Libertadores da América. Mas isso já é assunto para outro post. O Grêmio que esteve em campo nesta partida conhecida como “A Batalha de La Plata” foi: Mazarópi, Paulo Roberto, Leandro, De León e Casemiro; China, Osvaldo e Tita; Renato, Caio(César) e Tarciso(Tonho). Téc. Valdir Espinosa

438

Abaixo, o vídeo do jogo, com narração da TV argentina.

Jogos Inesquecíveis

0jogos

592Morumbi lotado, 95 mil torcedores, 3 de Maio de 1981. O favorito São Paulo enfrentava o Grêmio, que pela primeira vez chagava a final do Campeonato brasileiro. Enquanto os paulistas tinham uma “seleção” com nomes como Waldir Peres, Darío Pereyra e Serginho Chulapa, o Grêmio era considerado um “time de segunda” pela mídia. No primeiro jogo, o Imortal mostrou sua força no Olímpico vencendo por 2×1. A vantagem era pouca, frente ao timaço do São Paulo, imbatível em seus domínios. Ainda mais porque Baltazar perdeu um pênalti que poderia nos deixar com mais tranqüilidade para o jogo da volta. Ao ser questionado sobre o pênalti perdido no final do jogo, ele falou: “Deus deve estar reservando algo melhor para mim”. Muitos diziam que no Morumbi os paulistas venceriam de goleada, que não teria nem graça. O São Paulo, que precisava de uma vitória simples para conquistar o Bi-Campeonato, atacava com mais perigo, mas sempre parava nas defesas do seguro goleiro Leão. O Imortal defendia-se bem e contra atacava com velocidade, com Paulo Isidoro, Vílson Tadei e Tarciso. Aos vinte do segundo tempo, num lançamento pra área, Renato Sá escorou e Baltazar, de primeira, acertou um petardo no ângulo de Waldir Peres. Assim se cumpriam as palavras do “Artilheiro de Deus”, como ficou conhecido. Pouco mais de 3mil Gremistas, calaram 90 mil são-paulinos. No final do jogo, ninguém acreditava no resultado, e os narradores paulistas (como sempre), tentavam arranjar desculpas para explicar a derrota do melhor time. Mas o capitão De León tratou de explicar (entrevista publicada na Placar na época): “Foi como no Mundialito. Lá o Uruguai teve de enfrentar um Brasil cheio de estrelas, e tivemos de nos transformar em algo mais que atletas. Fomos humildade e dedicação. Fomos campeões. Para alguns, com poucos méritos técnicos, mas quem pode negar nossa garra? Sabe, o melhor time é o campeão, e o Grêmio é isso. Há duas coisas que um time campeão precisa ter: jogadores-homens e homens-jogadores”. O Grêmio entrou em campo com: Leão, Paulo Roberto, Newmar, De León e Casemiro; China, Paulo Isidoro e Vílson Tadei (Jurandir); Tarciso, Baltazar e Odair (Renato Sá). Técnico: Ênio Andrade.

 445

Jogos Inesquecíveis

0jogos

590Era primeiro de abril de 2001, o GREnal valia pelo primeiro turno do Campeonato Gaúcho daquele ano, e para os colorados, o placar parecia mesmo ser mentira. O Imortal, que apesar de estar se recuperando após a saída de Ronaldinho e a falência da ISL, tinha uma equipe muito superior. O domínio era total, e abrimos o placar com um golaço de Tinga aos 23 da primeira etapa. Ele dominou na área e mandou uma bomba pro gol. O inter, que contava com um time apenas mediano, não conseguia se encaixar em campo. Aos 42 do primeiro tempo, Tinga marcou de novo. Desta vez, completando na saída do goleiro. Na etapa final, o rival veio pra cima, dando muitos espaços para os contra-ataques do Tricolor. Num deles, o artilheiro Rodrigo Mendes marcou o terceiro aos 16 minutos. Após um passe do Tinga na esquerda, ele bateu de pé trocado, rasteiro. Então o adversário acordou no jogo, e numa desatenção da zaga do Grêmio, marcou dois gols em dois minutos, aos 23 e aos 24 do segundo tempo. Após a reação dos bambis, o Grêmio mostrou porque é chamado de Imortal, sabendo conter o ímpeto do adversário. E ainda marcou mais um, aos 42 minutos, com o capitão Zinho cobrando pênalti. Com esse placar, conquistamos antecipadamente o primeiro turno do Campeonato Gaúcho, e ainda ajudamos a derrubar o Zé Mário, técnico do rival, que viria a ser demitido quatro dias depois. A vitória serviu para embalar o time, que viria a conquistar o Gauchão e a Copa do Brasil naquele ano, encantando o país com um dos melhores 3-5-2 que já se viu por aqui. O time que entrou em campo naquele jogo foi: Danrlei; Marinho, Anderson Polga e Mauro Galvão; Anderson Lima, Eduardo Costa, Tinga, Zinho e Rubens Cardoso; Renato Martins (Itaqui) e Rodrigo Mendes (Warley). Técnico: Tite.

357

Jogos Inesquecíveis

0jogos

591Após a espetacular marca de 12 títulos gaúchos em 13 anos, nas décadas de 50 e 60 (um hexa e um hepta), o Imortal amargou um jejum de oito longos anos de conquistas do maior rival no Campeonato Gaúcho. Em 1977, havia chegado a hora de dar um basta nessa situação. Tínhamos um bom time, com Oberdã comandando a defesa, Iúra e Tadeu Ricci no meio campo, e um grande ataque com Tarciso, André, e o garoto Éder, que fora trazido por Telê, como grande promessa. No início da partida, a pressão era imensa em cima do Tricolor, que mais uma vez chegava à final, contra o inter, apontado como favorito ao título. Monumental lotado, torcida Tricolor confiante, o Grêmio atacava, atacava, e nada de gol. Aos 25 minutos da primeira etapa, pênalti para o Grêmio. Quem vai bater é o Tarciso. O Craque. O artilheiro. Um dos maiores jogadores da história do Grêmio. Tarciso vai para a bola. Bate. A bola vai pra fora. À esquerda do goleiro Benítez. Oito anos de pressão não é pouca coisa. O Imortal não desiste e segue levando mais perigo ao gol rival. Iúra domina a bola aos 42. Lança na esquerda entre dois rivais, para André Catimba. Ele domina e manda uma bomba de pé trocado. No ângulo. Indefensável. Tomado de alegria, ele parte pra comemoração. Tenta um salto mortal mas distende um músculo e cai de peito no chão. O salto foi mesmo “mortal”. No segundo tempo, Alcindo entrou no lugar dele. O rival vinha pra cima tentando o empate, que levaria a um novo jogo, dessa vez na beira lago. Mas o Grêmio defendia-se bem, controlava o jogo, que começava a ficar violento. Aos 42 minutos, numa falta marcada pelo juiz, a torcida começou a invadir o campo pra comemorar. Deu início a uma confusão com os jogadores colorados, que batiam e apanhavam dos torcedores Tricolores. Então, os torcedores do rival, invadiram o campo e arrancaram uma das redes. Os dirigentes tiraram o time do rival de campo, alegando falta de segurança. A polícia deteve a confusão, e o Grêmio esperou por meia hora os jogadores adversários, que tremeram e não voltaram a campo. A taça foi entregue e o Grêmio enfim, pode comemorar o fim do jejum, apesar da choradeira dos rivais, que tentaram levar a decisão para os tribunais, mas não obtiveram sucesso. O time Tricolor: Corbo, Eurico, Cassiá, Oberdan, Ladinho, Vitor Hugo, Tadeu, Iúra (Vilson), Tarciso, André (Alcindo) e Éder. Técnico: Telê Santana

359

Jogos Inesquecíveis

0jogos

593Corria o ano de 1995, e o Tricolor chegava as quartas de final da Libertadores da América, para enfrentar a seleção de craques do Palmeiras, que era o atual bi-campeão brasileiro, e favorito ao título continental, além de ter todo o apoio e torcida da imprensa do centro do país. Criou-se um ambiente de guerra antes mesmo do jogo começar, pois o Imortal lançou algumas camisas com a frase: “o leite vai azedar de novo”, em referência a eliminação dos paulistas pelo próprio Grêmio na Copa do Brasil. Iniciada a peleia, a pressão foi do Tricolor desde o início, o jogo era tenso, com faltas duras dos dois lados. Aos 17 minutos Rivaldo acertou Rivarola e foi expulso. Aos 26, mais confusão, Dinho deu uma cabeçada no meia Válber, que revidou com um soco. O bandeirinha avisou o juiz que expulsou os dois. Fora de campo fechou o pau. Dinho deu um chute em Válber e Danrlei (que gostava de uma confusão) lhe acertou um soco na nuca. O Palmeiras não ficava atrás com jogadores como Tonhão, Antônio Carlos e Cléber. Terminada a confusão fora de campo, o árbitro reiniciou o jogo que ficou parado por 14 minutos. Um minuto depois, Arce pegou chute sensacional de fora da área para fazer 1×0. O narrador (não precisa dizer o nome) narrou como se fosse um gol da Argentina contra o Brasil, tamanha era sua torcida e seu “puxa-saquismo” pelas equipes de São Paulo. Mas o Grêmio mostrava que sendo um time bravo e aguerrido, iria longe na competição. Aos 51, Arílson fez 2×0 num tiro de longe, que desviou em Mancuso e matou o goleiro Sérgio. No segundo tempo, os paulistas vieram pra cima tentando diminuir, mas tomaram o terceiro logo aos 4 minutos, após cruzamento de Roger e gol de Jardel (com o pé!). Naquela altura, Arce e Roger jogavam mais como pontas do que laterais. O centroavante Tricolor foi o nome do jogo, marcando mais dois (agora de cabeça), aos 21 e 38, fechando a goleada. O time que entrou em campo naquela batalha: Danrlei, Arce (Scheidt), Rivarola, Adílson e Roger; Dinho, Goiano, Arílson e Carlos Miguel (Alexandre); Paulo Nunes e Jardel (Nildo). Nessa época, aos seis anos de idade, eu já sentia orgulho de ser Gremista. Todos conhecem a história do jogo da volta, e com quem ficou a Taça naquele ano, mas isso já é assunto para outro post.