1997

Camisa de 1997 onde o patrocínio da Ironcryl foi tampado ou para ser utilizada em alguma competição amistosa internacional, onde era proibido o uso do patrocínio, ou então para ficar na espera do próximo patrocinador, que conhecemos em 1998.

Fotos: Diego Bretanha

1982

Camisa tricolor 1982 fornecida pela Olympikus feita em sua versão de jogo pela malharia Terres e em sua versão de loja pela malharia Dória. Nas fotos abaixo a número #9 é malharia Terres (de jogo) e a número #5 malharia Dória (de loja). Como eu sei disso? Ambas as fotos foram tiradas por mim, pois se não fossem eu não saberia, pois apesar de nestas haver uma leve diferença na posição do símbolo da Olympikus e no acabamento do escudo do Grêmio isso não era normal, naquela época elas praticamente não tinham um padrão.

Fotos: Diego Bretanha / Acervo Histórico do Grêmio

Curiosidades

Encontrei esse texto na comunidade do Grêmio no Orkut e achei bem interessante para mostrar aos gaylorados alguns fatos que eles não devem ainda ter conhecimento.

**Por que nos chamam de racistas?**

1 – Porque chamamos eles de macacos. PORÉM O QUE NINGUÉM DIVULGA É QUE FORAM ELES QUE INVENTARAM ESSE APELIDO PRA ELES MESMOS, décadas atrás. Enquanto os gremistas cantavam “ah eu sou gaúcho!” os coloridos cantavam “ah eu sou macaco!” e o mascote da torcida organizada deles era um Macaco. Até hoje ainda existe torcida organizada cujo simbolo é um macaco, e até a Torcida Organizada “Ma.Ca.Co” (Massa Cachaceira Colorada). O ponto onde os gremistas passaram a chamar colorados de macacos foi na reforma do Chiqueira-Rio, onde eles tiveram que assistir os jogos por fora do estádio, subindo nas árvores. Além de já serem “ironizados” de macacos devido às várias cópias que sempre faziam de gremistas, desde idéias de criar ou reformar estádio, contratar jogador extrangeiro de tal país, viajar pela América, Europa, etc, tudo logo após o Grêmio fazer primeiro, agora os colorados subiam em árvores também. FOI AÍ QUE OS GREMISTAS COMEÇARAM A CHAMAR OS COLORADOS DE MACACOS. E O APELIDO PEGOU.

2 – Porque mês passado dois gremistas espancaram um PUNK. Isso mesmo, dois gremistas “neonazistas” bateram num PUNK (E O PUNK ERA GREMISTA). Ou seja, apesar de não deixar de ser um ato horrível, é algo completamente desvinculado com o futebol. Se for dizer que os gremistas são os nazistas, tem que dizer que são as vítimas do neo-nazismo também.

3- Porque o Grêmio só foi aceitar negros oficialmente no time nos anos 50. Mas o que eles não falam é que o campo do Grêmio era doado por alemães e estava no contrato que se o Grêmio contratasse jogadores negros, perderia o campo. Aliás, mesmo assim, há fotos de negros no time do Grêmio nos anos 20, 30 e 40. Fotos de negros desde 1925, sendo que o inter só contrataria o primeiro em 1928

Acho que os colorados esquecem que a maior torcida negra do RS é GREMISTA, além de liderar todas as classes sociais (e o clube do povo? sempre em segundo). Podem olhar qualquer pesquisa; outro fato curioso é que o inter nunca teve NENHUM grande ídolo negro com a mesma admiração que os gremistas tiveram com os seus, desde imortalizando na bandeira e hino a fazer pequenas músicas e trapos em suas homenagens. Ano retrasado mesmo tivemos o Andershow (maior ídolo dos últimos anos), e pouco antes o traidor Ronaldinho Gaúcho (que enquanto estava no Grêmio nunca deixou de ser ídolo), e mais pro passado O GRANDE CRAQUE EVERALDO (a estrela única, dourada, da bandeira do Grêmio) e o mestiço Lara (que até entrou no hino do Grêmio). Aliás, o hino do Grêmio foi feito por LUPICÍNIO RODRIGUES (negro).

Agora vem o mais importante:

E outra coisa que eles não divulgam é a história dos Canelas Pretas. No início do futebol profissional no Rio Grande do Sul, negros não jogavam em nenhum time. Então alguns mulatos e negros resolveram montar um time, o Rio-Grandense: elegeram nome, uniforme, tudo bem organizado (era o sonho daqueles mulatos jogarem profissionalmente), durante anos. Mas no dia em que foram tentar se inscrever na Liga, receberam um não porque o futuro “clube do povo” votou contra, impedindo que se criasse o time. O próprio internacional. Isso gerou ódio nas pessoas de cor, que passaram a torcer pro time rival do inter, o Grêmio, e ensinavam os filhos a torcerem pro Tricolor.

Um exemplo foi o Lupicínio Rodrigues, filho daquele que foi presidente do Rio-Grandense. Por isso temos mais torcedores negros torcendo pro Grêmio, como todos já repararam. Então os negros e mulatos formaram uma Liga, a Liga dos Canelas Pretas.

Só uns 20 anos depois (quando o Esporte Club Americano foi derrotado no primeiro amistoso contra um time da Liga dos Canelas Pretas, despertando a atenção para o bom futebol deles) que foram aceitos times com negros. Porém apenas na segunda divisão, sem acesso à primeira. Com o tempo foi-se aceito negros oficialmente em vários clubes. O inter não foi o primeiro time gaúcho a admitir negros, como eles dizem. Muito pelo contrário, houve muitos antes deles. Com as contratações dos negrinhos pelos times gaúchos, a Liga dos Canelas Pretas acabou.
O primeiro negro a jogar no inter foi em 1928, Dirceu Alves, jogando apenas 10 jogos. Mais uns poucos negros pela década de 30. Já o Grêmio teve jogadores negros desde a década de 20, porém não era aberta oficialmente a entrada de negros, principalmente devido à possível perda do campo gremista para os alemães. De 1925 a 1935 o Grêmio teve Adão Lima, por exemplo. Na própria foto do time de Lara vemos vários negros e mulatos:

O gremista NÃO pode ser chamado de racista, de modo como NENHUM outro torcedor de qualquer outro time pode. Como pudemos ver, o tal Clube do Povo tem uma história sujíssima e pouco divulgada. Não queremos incríminá-los nem chamá-los de racistas, queremos apenas que cuidem da própria vida e olhem pra si antes de falar do outro.

A fonte de todo o tópico é:
Memorial do Rio Grande do Sul
http://www.memorial.rs.gov.br/cadernos/futebol.pdf

o livro de Lupicínio Rodrigues


Pesquisa sobre classe social – TOP OF MIND, publicado no site do Grêmio:
http://www.gremio.net/news/view.aspx?id=101&language=0

Fonte: http://www.orkut.com.br/CommMsgs.aspx?cmm=22731&tid=2562046406955375046&kw=racismo+verdade+gremio

Autor: http://www.orkut.com.br/Profile.aspx?uid=11190877438914287785

1996

Em 1996 a Penalty resolveu inovar lançando nosso quarto uniforme. Não sei ao certo o motivo, mas segue abaixo que li no blog Grêmio 1983:

“O caso do Grêmio e Penalty, em 1996 é um exemplo da necessidade e o sucesso das iniciativas de novos lançamentos. Apesar do seu ótimo momento futebolístico, com grandesconquistas, a direção do clube temia pela redução do volume de vendas das camisetas oficiaisapós a saturação do mercado. Então, por uma iniciativa exclusiva do departamento de marketingdo Grêmio, foi lançado um modelo inédito em que as combinações entre calção e camisetaformavam ondulações. A então fornecedora aprovou o modelo e a média de vendas diária nosprimeiros meses de lançamento surpreendeu: 5 mil unidades, o equivalente às médias mensaisdos grandes clubes do futebol do país. (CARDIA, 2004)” (FREDERICO MANDELLI GUARAGNA – A GESTÃO DO MARKETING ESPORTIVO NO FUTEBOL:CASO GRÊMIO FOOT-BALL PORTO-ALEGRENSE).

Essa camisa foi usada em poucos jogos por, nos jogos em que foi usada, ter sido considerada muito azarada, como diz a imagem abaixo tirada do blog Grêmio 1983 que por sua vez tirou da revista Placar.

Segue a maldita:

Obs.: O nome NEGRESCO foi dado pela sua semelhança ao pacote de bolachinhas negresco por quase todos conhecido.

Fotos: Diego Bretanha e Acervo Histórico do Grêmio