2014

Tricolor usada no jogo contra o Brasil de Pelotas pelo Gauchão 2014.

994 993FICHA TÉCNICA: Grêmio 2 x 1 Brasil de Pelotas

Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Data: 26 de março de 2014, quarta-feira
Horário: 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Fabricio Neves Correa
Assistentes: José Javel Silveira e José Eduardo Calza
Cartões amarelos: Pará, Wendell e Barcos (Grêmio); Wender, Leandro Leite, Cleiton e Márcio Hahn (Brasil de Pelotas)

Gols: 

GRÊMIO: Dudu, aos 38 min do 1º tempo; Luan, aos 3 min do 2º tempo;
BRASIL DE PELOTAS: Gustavo Papa, aos 39 min do 2º tempo

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Werley, Rhodolfo e Wendell; Edinho, Ramiro, Riveros (Alan Ruiz) e Dudu (Yuri Mamute); Luan (Geromel) e Barcos
Técnico: Enderson Moreira

BRASIL DE PELOTAS: Luiz Müller; Wender, Ricardo, Fernando Cardozo e Rafael Forster (Raulen); Leandro Leite, Cleiton, Washington , Márcio Hahn e Túlio Souza (Gustavo Papa); Alex Amado (Nena)
Técnico: Rogério Zimmermann

http://www.youtube.com/watch?v=m0kNTH7DpDw

Imagens: GazetaPress

 

Coluna do Quico

687

Me agradou a participação da “Gurizada Tricolor” no jogo de ontem à noite. Mostraram postura, personalidade e até um certo entrosamento. Comandados pelo capitão Vílson, um xerife na zaga, e pelo titular Adílson, como um “veterano” no meio-campo, os jovens não sentiram a pressão de jogar fora de casa. No primeiro tempo perdemos boas chances com Diego Clementino, que mais uma vez mostrou ser rápido e útil ao time titular (principalmente entrando no segundo tempo) e Júnior Viçosa, que também é veloz, porém, falta-lhe aprimorar a finalização. Destaque também para o volante Mateus Magro, que mostrou segurança na marcação. No início da segunda etapa, após belo passe do Pessali (que atuou muito bem na meia-cancha) Viçosa abriu o placar. O Ypiranga então se encheu de atacantes e pressionou até buscar o empate, que saiu num belíssimo gol de falta. Um resultado injusto. Mas valeu a pena apostar nos garotos para os jogos do interior. Com um pouco mais de treinamento, e condicionamento físico, eles podem render bem mais. E ainda temos o Fernando e o Saimon que estão na seleção sub-20, além do Mithyuê, e do Maylson, que em minha opinião, deveriam receber mais chances, tendo em vista que podem acrescentar muito ao time, principalmete o Maylson que na época do Silas era titular. Amanhã contra o São José, teremos a volta de Victor e André Lima. Será uma bela oportunidade de conseguir a primeira vitória no Gauchão, até para ganhar confiança e não deixar o Veranópolis disparar na liderança do grupo. Todos ao Monumental! É a hora de apoiar o time antes da estréia na Libertadores.

PS. Pelo que sei, os novos uniformes feitos pela Topper já foram confeccionados, e parece que a camisa Celeste voltará a ser utilizada.

Jogos Inesquecíveis

0jogos

590Era primeiro de abril de 2001, o GREnal valia pelo primeiro turno do Campeonato Gaúcho daquele ano, e para os colorados, o placar parecia mesmo ser mentira. O Imortal, que apesar de estar se recuperando após a saída de Ronaldinho e a falência da ISL, tinha uma equipe muito superior. O domínio era total, e abrimos o placar com um golaço de Tinga aos 23 da primeira etapa. Ele dominou na área e mandou uma bomba pro gol. O inter, que contava com um time apenas mediano, não conseguia se encaixar em campo. Aos 42 do primeiro tempo, Tinga marcou de novo. Desta vez, completando na saída do goleiro. Na etapa final, o rival veio pra cima, dando muitos espaços para os contra-ataques do Tricolor. Num deles, o artilheiro Rodrigo Mendes marcou o terceiro aos 16 minutos. Após um passe do Tinga na esquerda, ele bateu de pé trocado, rasteiro. Então o adversário acordou no jogo, e numa desatenção da zaga do Grêmio, marcou dois gols em dois minutos, aos 23 e aos 24 do segundo tempo. Após a reação dos bambis, o Grêmio mostrou porque é chamado de Imortal, sabendo conter o ímpeto do adversário. E ainda marcou mais um, aos 42 minutos, com o capitão Zinho cobrando pênalti. Com esse placar, conquistamos antecipadamente o primeiro turno do Campeonato Gaúcho, e ainda ajudamos a derrubar o Zé Mário, técnico do rival, que viria a ser demitido quatro dias depois. A vitória serviu para embalar o time, que viria a conquistar o Gauchão e a Copa do Brasil naquele ano, encantando o país com um dos melhores 3-5-2 que já se viu por aqui. O time que entrou em campo naquele jogo foi: Danrlei; Marinho, Anderson Polga e Mauro Galvão; Anderson Lima, Eduardo Costa, Tinga, Zinho e Rubens Cardoso; Renato Martins (Itaqui) e Rodrigo Mendes (Warley). Técnico: Tite.

357