Curiosidades

Jornalistas e seus times – Saiu na revista VIP

Para todos se perguntam de que time é este ou aquele jornalista aqui está a resposta que saiu na revista VIP:

TV Globo
Galvão Bueno – Flamengo
Cléber Machado – Santos
Luís Roberto – São Paulo
Mauro Naves – Corinthians
Sérgio Noronha – Vasco

TV Bandeirantes
Nivaldo Prieto – Palmeiras
Luciano do Valle – Ponte Preta
Mauro Beting – Palmeiras
Milton Neves – Santos

SporTV
Luis Carlos Jr. – Fluminense
Milton Leite – Corinthians
Paulo César Vasconcelos – Botafogo
Alex Escobar – América-RJ
Renato Maurício Prado – Flamengo
Marcelo Barreto – Flamengo
Alberto Helena Jr. – São Paulo
José Roberto Wright – Fluminense

ESPN Brasil
José Trajano – América-RJ
Paulo Vinícius Coelho – Palmeiras
Mauro César Pereira – Flamengo
Paulo Calçade – Corinthians
Antero Grecco – Palmeiras
Sílvio Lancellotti – Corinthians
Soninha – Palmeiras
André Plihal – São Paulo
João Palomino – São Paulo
Paulo Amigão Soares – São Paulo
Fernando Calazans – Flamengo
Juca Kfouri – Corinthians

Outros
José Silvério (Band-SP) – Cruzeiro
Wanderley Nogueira (Jovem Pan-SP) – São Paulo
Flávio Prado (Jovem Pan-SP) – São Paulo
José Carlos Araújo (Rádio Globo-RJ) – Fluminense
Mauro Leão (O Globo) – Botafogo
Fernando Vanucci (Rede TV!) – Botafogo
Pedro Ernesto (Rádio Gaúcha) – Grêmio
Wianey Carlet (Zero Hora) – Internacional
David Coimbra (Zero Hora) – Grêmio
Paulo Brito (RBS) – Internacional
José Aldo Pinheiro (RBS) – Grêmio
Ruy Carlos Ostermann (Zero Hora) – Grêmio

2005

Esta camisa deve ser desconhecida para a maioria dos Gremistas e muitos quando a veem devem pensar que não é oficial. Trata-se do uniforme que foi feito no início do ano de 2005 para “quebrar-galho” enquanto o contrato com a Puma e seus uniformes não ficavam prontos. Dizem que quem os fabricou foi a própria Filon, que fazia as camisas da Topper, Puma, Kappa entre outras, mas para ser sincero não sei a verdade.

Fotos: Diego Bretanha

A camisa foi usada em alguns jogos do Gauchão e também da Copa do Brasil. Abaixo fotos de alguns jogos onde o Grêmio a usou:

Fotos: Gremio.net

2003

Comemorativa feita em 2003 pela Kappa em alusão a camisa da Adidas usada pelo Grêmio em 1983.

Imagens: Diego Bretanha – Tales Gehrke dos Santos

2006

Em 29 de Maio de 2006 o Grêmio juntamente com a Puma lançava esta camisa, em homenagem à primeira vez em que o Brasil conheceu a força e a garra do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense, a peça é uma réplica da camisa 9 usada por Baltazar, o autor do gol que levou o time à inesquecível vitória.

Imagens: Grêmio.net – Diego Bretanha

Campeonato Brasileiro 1981:

A tarde de 03 de maio de 1981 ficou marcada como o reconhecimento definitivo do Brasil à grandeza de um clube que firmava-se nacionalmente como um time vencedor.

Após jogar contra as equipes mais fortes do Brasil, o Grêmio, na final do Campeonato Brasileiro, enfrentou o São Paulo, que na época contava com diversos jogadores da Seleção Brasileira.

O jogo era considerado difícil, apesar da vantagem que o Grêmio havia conquistado na primeira partida da final, quando derrotou os paulistas no estádio Olímpico Monumental por 2×1. Porém, o Morumbi lotado foi obrigado a ver a festa de uma pequena e apaixonada torcida gremista no final do jogo.

Aos 20 minutos do segundo tempo; o jogador Baltazar mata a bola no peito e chuta no ângulo superior esquerdo do goleiro Waldir Peres. Um gol histórico, que marcou o início de um caminho glorioso, estrelado pelas grandes conquistas nacionais e internacionais.

Esta era a primeira vez que o Brasil conhecia a força das cores azul, preto e branco.

FICHA DO JOGO > GRÊMIO x SÃO PAULO

Local: Estádio Morumbi
Data: 03/05/1981
ÁRBITRO: José Roberto Wright

GOL
Baltazar (Grêmio)

SUBSTITUIÇÕES – GRÊMIO
Entrou Jurandir, saiu Vilson Tadei.
Entrou Renato Sá, saiu Odair.

SUBSTITUIÇÕES – SÃO PAULO
Entrou Assis, saiu Everton.

Baltazar:

Nome: Baltazar Maria de Moraes Jr.
Nascimento: 17 de julho de 1959, Goiânia (GO)
Período no clube: 1979 a 1982
Posição: Atacante

Títulos:
1979 e 1980 – Bicampeão do Estado
1981 – Campeão Brasileiro, Campeão da Copa El Salvador del Mundo em El Salvador, Campeão do Troféu Ciudad de Valladolid (Espanha), Campeão do Troféu Torre del Vigia (URU).

Iniciou sua carreira profissional em 1978, atuando pelo Atlético-GO. Logo de cara mostrou que era um goleador nato, sagrando-se artilheiro do Campeonato Goiano.

No ano seguinte, transferiu-se para o Grêmio, onde conquistou seus primeiros títulos com o bicampeonato Gaúcho de 1979 e 1980 e foi o artilheiro do Campeonato Gaúcho por dois anos seguidos; em 1980 (28 gols) e 1981 (20 gols). Ainda em 1981, fez o gol do primeiro título brasileiro do Grêmio na final contra o São Paulo no Morumbi, após ter perdido um pênalti na partida de ida no estádio Olímpico Monumental. Na ocasião, declarou: “Deus está reservando algo melhor para mim”. Foi um dos primeiros jogadores a declarar-se Atleta de Cristo.

Por seus feitos, o jogador é um ídolo da torcida do tricolor gaúcho e esta entre os 10 maiores artilheiros do clube, com 131 gols marcados.

Imagens e informações: Grêmio.netGrêmio1983

1983

Dando continuidade vamos a camisa que, para mim, é a mais linda de nossa história, bem como uma das mais importantes, pois foi a que usamos na conquista de nossos maiores títulos. Falo dela, a Tricolor de 1983. A camisa das fotos faz parte da minha coleção e foi usada pelo Hugo De León em alguma partida que disputamos naquele ano no Rio de Janeiro. Consegui a mesma com um ex-policial que trabalhava nos estádios na época e sempre ganhava camisas dos jogadores. Mais de 20 anos depois ele resolveu se desfazer e eu dei a sorte de encontrá-lo. Com ela vieram mais 3 camisas histórias do Grêmio usadas em jogos (tricolores 1982 e 1997 e uma camisa de goleiro de 1982).

Ficha:

Grêmio 2 x 1 Hamburgo

11 de dezembro de 1983 – Estádio Nacional – Tóquio, Japão
Horário: 12h (Japão) – 00h (Brasil)
Público: 62.000
Arbitragem: Michel Vautrot (FRA) auxiliado por Toshikazu Sano (JAP) e Shizuhasu Nakamichi (JAP)
Gols: Renato aos 37min do 1° tempo; Schröeder aos 40min do 2°tempo e Renato aos 3min da prorrogação
Cartões Amarelos: Mazaropi, Caio, Renato e De León (GRE) ;Stein (HAM)

GRÊMIO FBPA: Mazarópi ;Paulo Roberto, Baidek, De León e Paulo César Magalhães; China, Osvaldo (Bonamigo 25 do 2°t) e Mário Sérgio, Renato, Tarciso e Paulo César Caju (Caio 33 do 2°t)
Técnico: Valdir Espinosa
Reservas: Beto, Leandro, Casemiro, Tonho e César

HAMBURGER SV: Stein, Wehmeyer, Hieronymus, Jacobs, Schroeder, Groh, Rolff, Magath, Hartwig, Hansen, Wuttke
Técnico: Ernst Happel

Hugo Eduardo de León Rodríguez

Hugo de León iniciou a carreira no Nacional do Uruguai no ano de 1975, sendo já aos 17 anos o capitão do time. Menos de um ano de seu inicio, teve sua primeira convocação para a Seleção Olímpica do Uruguai. Em 1977 se sagrou campeão do Campeonato Sul-Americano de Futebol Sub-20 com a seleção de base e no mesmo ano já seria promovido ao time principal do Nacional do Uruguai.

Após sua rápida ascensão, o zagueiro de León seria promovido ao time principal do Nacional no ano de 1977. Em seu primeiro ano como profissional se sagrou campeão do Campeonato Uruguaio. O zagueiro promissor ganharia mais um Campeonato Uruguaio em 1980, além da Copa Libertadores da América no mesmo ano.

O zagueiro uruguaio acabou despertando o interesse do Grêmio, sendo contratado pelo clube em 1981. No Imortal foi campeão do Campeonato Brasileiro de Futebol de 1981 e chegou a final do Campeonato Brasileiro em 1982.

Em 1983 foi um dos protagonistas das maiores conquistas do Grêmio até então, conquistando a Copa Libertadores da América de 1983, marcando três gols na competição e realizando atuações grandiosas que lhe renderam uma idolatria histórica para os gremistas. Na final da competição, acabou se machucando com a taça continental e sua imagem sangrando com a taça é ate hoje um dos símbolos do Grêmio.

Ainda no ano de 83 foi Campeão Mundial com o Grêmio, em partida realizada em Tóquio, no Japão, contra a equipe do Hamburgo. Foi bi-campeão mundial pelo Nacional e tri-campeão da Libertadores em 1988, na segunda das quatro passagens que teria pelo clube charrua.

Jogou em diversos outros clubes brasileiros como Corinthians, Santos e Botafogo. De 1989 até 1990 defendeu a equipe do River Plate, sendo Campeão Argentino de 1989-90.

Jogou ainda a Copa do Mundo pela Seleção Uruguaia de Futebol em 1990, chegando as oitavas-de-final da competição, onde os uruguaios foram eliminados pela Seleção Italiana, anfitriã da competição vencida pela Seleção Alemã em final contra a Seleção Argentina.